terça-feira, 1 de julho de 2008

Prisão-hotel



A construção da prisão de Almeirim, irá concerteza ter reflexos a diversos níveis da actividade futura do concelho.
As áreas mais afectadas serão: Comércio, Agricultura, Saúde, Desporto, Urbanismo, Ensino e o turismo e gastronomia.
No âmbito do comércio, vai ser possível na estrada de acesso à cadeia, de ambos os lados, a implantação de quiosques ou bancas, para venda de bananas e bolachas que são os produtos que os presos mais gostam de comer.
Dado que a venda de bananas irá aumentar exponencialmente, os agricultores locais irão aproveitar esta grande oportunidade e será efectivada uma verdadeira revolução na agricultura local, com a sua reconversão na produção de bananas.
A nível da saúde, como o governo não se preocupa com a falta de médicos de família no concelho, a instalação da cadeia vai proporcionar que pelo menos os velhos possam ir à enfermaria da prisão fazer pensos.
No desporto, dado as instalações de luxo, os jovens do concelho, poderão utilizar os campos de ténis, piscinas, campos de jogos, pavilhão, ginásios, salas de musculação e até poderão fazer sauna, o que fará aumentar o número de praticantes nos diversos desportos.
No ensino, como vai ser necessário formar pessoas com elevadas competências técnico- científicas para funcionários da cadeia, o centro de formação dos Gagos, irá deixar de possibilitar o acesso ás novas oportunidades e passará a ser uma Universidade que vai atribuir Licenciaturas para serviços prisionais.
A grande revolução será concerteza no Urbanismo, dado que o maior número de detidos são das classes altas (graças ao eficiente combate que este governo tem feito à corrupção), os seus familiares irão querer instalar-se nos arredores, em condomínios fechados o que fará valorizar muito os terrenos de toda a zona envolvente e proporcionar uma grande explosão urbanística.
No âmbito da gastronomia e turismo, além da participação obrigatória do grupo coral da prisão em todas as festas da câmara, consta que vai ser feito um acordo para que pelo menos uma vez por semana uma refeição da cadeia seja “sopa da pedra” mas confeccionada com enchidos artesanais de Almeirim, já que alguns restaurantes do concelho já usam enchidos industriais e está a levar à perda de identidade deste prato.
O famoso melão de Almeirim também vai passar a ser cultivado nas hortas da prisão.

1 comentário:

Abril disse...

Não te estás a lembrar da "Diversão nocturna" com o "Bastus Bar" ou o "Falcato Pub"...

Ainda vou ver muitos gajos dos Tigres,nos campeonatos de pesca na Vala de Marianos,numa organização da empresa de enventos PRISA,Ldª,já para não falar nos campeonatos de Petanca á sombra dos sobreiros.

Pode ser que os gajos se lembrem de fazer um manicómio,para lá ficarem todos.

Um abraço